quarta-feira, 4 de maio de 2011

                                                 

                                                
                                                D. Romalina

                                                             A vida é cheia de pacotes
                                                                     Mario Quintana


Os pensamentos não lhe dão sossego.
Tiram-lhe o sono.
Sugam-lhe a vida.
Sempre no passado, recorda-se de si: Festas. Joias. Carros luxuosos. Legião de amigas a exaltando.
Contudo, o tempo – carrasco, firme – pôs-lhe no canto social cheio de pobreza.
Hoje ela tem apenas a companhia dos seus demônios invisíveis.


Silas Falcão

2 comentários:

Bulcão disse...

Curto, denso e forte. Muito bom.

Abs.,
Manuel Bulcão

Pedro Salgueiro disse...

Silas, eu bem que desconfiava que havia um poeta dentro de você. rsrs
Bom poema!

Postar um comentário